06/11/2018 17h48

A Vila de Regência Augusta recebe o projeto Monumentos de Amor ao Rio Doce

Desta quarta-feira (07) até a próxima segunda-feira (12), em diferentes pontos da Vila de Regência Augusta, em Linhares, serão dispostas mandalas de frutas para serem trocadas por cartas de amor ao Rio Doce. Sob a condução do artista Piatan Lube, essas intervenções fazem parte do projeto Monumento de Amor ao Rio Doce. Ao longo desses dias, Piatan irá interagir com os moradores para que eles explicitem por meio de cartas os laços afetivos que eles possuem com a biodiversidade das margens e do estuário do Rio Doce. Essa iniciativa já teve um primeira etapa realizada em julho deste ano em Baixo Guandu, município capixaba também situado às margens do Rio Doce e que faz divisa com Minas Gerais, onde recolheu cerca de 200 cartas. Com essas ações, o projeto Monumentos de Amor ao Rio Doce tem registrado os sentimento de nostalgia e de uma sensação de saudade intensa por parte dos trabalhadores e comunidades ribeirinhas.

Para Piatan Lube, diante das limitações e precariedades político-institucionais capitaneados pelos interesses do capital, essa proposta é uma crença no potencial da arte como espaço político e social: “A voz ativista, de denúncia é calada sistematicamente a cada dia, e a arte parece ser o único ponto capaz de fazer aflorar outras posturas políticas. Queremos procurar o potencial artístico e crítico em cada comunidade e afirmamos uma nova postura do artista diante da criação de obras de arte, pois este monumento intervém dentro do coração dos nossos interlocutores, cocriadores, para fazer despertar um novo sentimento-realidade”.

Ao contrário dos monumentos construídos de forma a permanecer como objetos constantes, o Monumento aqui instituído é um monumento afetivo, relacional e que permanece inerente a memória afetiva e a identidade cultural das populações que possuem uma íntima relação com o Rio Doce. O projeto também desconstrói a ideia de monumento tradicional enquanto marco territorial rígido, uma arte pública que nem sempre é acolhida no coração do povo.

O projeto Monumento de Amor ao Rio Doce conta com recursos do Fundo de Cultura do Estado Espírito Santo (Funcultura), por meio do Edital nº 016/2017 (Projetos Setoriais de Artes Visuais). As intervenções deste ano são um desdobramento de uma primeira edição realizada em 2017 na exposição coletiva “Deslizes Monumentais e Sonhos Intranquilos: A Estética dos Crimes Ambientais no Antropoceno”, na Galeria de Arte e Pesquisa (GAP)/Ufes, e que contou com parceria do grupo Dissoa - Diálogos entre Sociologia e Arte e do núcleo Organon - Estudos, Pesquisa e Extensão em Mobilizações Sociais. Nessa ocasião foram geradas 280 cartas criadas por alunos, professores e pesquisadores da Ufes e outros moradores da região da Grande Vitória que participaram dos fóruns de debates que integravam a exposição.

Intervenção “Monumentos de Amor ao Rio Doce”

De 07 (quarta-feira) até 12 (segunda-feira) de novembro - Vila de Regência Augusta - Linhares

Informações à imprensa: Paulo Gois / 27-98134 6831

 

Sobre Piatan Lube

Artista socialmente engajado e multidisciplinar, Piatan Lube é mestre em Artes Visuais pela Ufes (2016), pesquisador e articulador comunitário, com projetos poéticos dentro da arte engajada com ecomuseus - práticas artística comunitárias e ativismo sensitivo. Nascido em Minas Gerais, no ninho poético do barroco mineiro, é filho de restaurador, conviveu com as cores das pinturas de Ataíde, as desformas e arranjos do mestre Aleijadinho, seu olfato acostumou-se aos perfumes do tempo, com os cheiros de cera de abelha derretida, e seu olhar aprendeu a lidar com pigmentos em pós mágicos que viravam homens e plantas. Cresceu em Piapitangui,  zona rural de Viana, onde pássaros orquestram as músicas das tardes e as águas desenham a paisagem - experiências marcantes de pertencimento que estão presentes no seu imaginário e o conduziram pelo curso de Artes da Ufes.

2015 / Desenvolvido pelo PRODEST utilizando o software livre Orchard