Teatro Carlos Gomes

Uma história resumida

O Teatro Carlos Gomes é uma construção do século XX. Foi projetado em 1925 e construído entre 1925 e 1927. Seu projeto inicial é de autoria de André Carloni, italiano de Bolonha radicado no Espírito Santo desde 1890.[i]

Sua construção utilizou a técnica de cimento armado, e aproveitou as colunas de ferro fundido do antigo Teatro Melpômene para sustentar os camarotes. O projeto do teatro baseou-se no modelo italiano de “teatro em ferradura”, tipologia usada, por exemplo, no Teatro Solís, em Montevidéu, entre outros. Essa tipologia caracteriza-se por uma série de galerias superpostas em torno de uma plateia. Diante dela, está o palco, inserido em uma caixa que abriga os mecanismos cênicos e dispositivos de iluminação. O arquétipo do modelo dessa tipologia é o Teatro Alla Scalla, de Milão, segundo Hermanny.[ii]

O teatro foi vendido ao governo do Estado em 1934, na administração de João Punaro Bley. A partir daí, teve seu uso restringido quase exclusivamente à função de cinema. A função de teatro só viria a ser retomada no final da década de 1960, quando o edifício sofreu obras de restauro, que contemplaram a adequação do palco e do proscênio, o que permitiu as encenações teatrais. Essa reforma também contemplou a transformação dos camarotes, a colocação de um lustre ao modo de candelabro no centro do teto, e a repintura dos painéis do teto, executada pelo pintor Homero Massena.[iii] A pintura do painel por Homero Massena é fundamentada na vida do compositor Carlos Gomes. Na pintura, o nome do compositor brasileiro aparece ao lado dos três compositores que o inspiraram: Wagner, Bach e Verdi.

[i] Cf. Projeto Básico 002-09, constante do processo 44692528 de 06/04/2009.

[ii] HERMANNY, Renata. In:SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA DO ESPÍRITO SANTO. Patrimônio cultural do Espírito Santo: arquitetura. Vitória: SECULT/CEC, 2009.

[iii] Ibidem

Pesquisa: Eliane Lordello
Gerência

2015 / Desenvolvido pelo PRODEST utilizando o software livre Orchard