27/06/2019 13h49 - Atualizado em 27/06/2019 14h07

Galeria Homero Massena: Uma conversa sobre a cura Bantu

Castiel Vitorino Brasileiro e Renato Santos tratarão da diáspora negra bantu e apresentarão uma proposta de cura coletiva para os males da colonialidade.

Na próxima terça-feira (02), às 19 horas, na Galeria Homero Massena como parte da programação da exposição O Trauma É Brasileiro, de Castiel Vitorino Brasileiro, acontece a Mesa de Conversa “Cura Bantu” com a presença da artista e do coreógrafo e ativista cultural Renato Santos. Os dois irão conduzir uma experiência de cura coletiva e será um momento para conversar sobre traumas da colonialidade, sobre diáspora negra bantu e sobre aquilombamentos criados no Morro da Fonte Grande, em Vitória. A entrada é franca.

Aberta desde o último dia 11 de junho, a exposição ‘O Trauma É Brasileiro’ é uma continuidade de pesquisas anteriores de Castiel Vitorino Brasileiro onde a artista encruza os saberes da psicologia, da arte e do curandeirismo para aliviar os males coloniais que acometem os corpos racializados e dissidentes. Durante a Mesa de Conversa Castiel e Renato irão investigar os processos psicossociais do curandeirismo propostos pelas experiências estéticas-clínicas criadas por esses artistas e será um encontro de gerações fonte-grandenses.

Em ‘O Trauma É Brasileiro’, Castiel faz uma atualização da instalação Quarto de Cura e oferece atendimentos individuais para o público aos modos das benzedeiras. Como uma insurgência decolonial surgida a partir da reconstrução do laço ancestral Bantu, a exposição denuncia como o apagamento da diferença, a imposição de um modelo cultural e o racismo fundaram a sociedade brasileira e vai além: compartilha com o público a investigação da artista em busca da cura do trauma racista e LGBTfóbico. 

Além das visitações, dos encontros clínicos com Castiel e da Mesa de Conversa, a exposição também contará com o lançamento de um catálogo que acontecerá ainda no mês de julho. Grupos também poderão fazer visitas guiadas mediante agendamento prévio. Quem assina o projeto de arte educação é a artista e doutora em Educação Kiusan Oliveira. O Trauma É Brasileiro conta com recursos do Fundo de Cultura do Estado do Espírito Santo (Funcultura), por meio do Edital 019/2018 - Seleção de Projetos de Exposições de Artes Visuais. O Trauma É Brasileiro está aberto à visitação até o próximo dia 24 de agosto.

Sobre Renato Santos

Renato Santos é um artista cuja carreira é dedicada à valorização e reconhecimento das artes cênicas afro-brasileira no Espírito Santo. Durante sua infância foi iniciado pelo seu avô, Prudêncio Mateus dos Santos, nas artes marciais afro-brasileira e africana na modalidade do jogo de Pernadas e Gambela. Foi membro fundador da Primeira Companhia Profissional de Dança Afro do Espírito Santo, o Negra-ô, coordenador do Curso de Dança da Escola Técnica de Teatro, Dança e Música (Fafi), da Prefeitura Municipal de Vitória no período de 2009 a 2013.

Em 2012, foi responsável pela elaboração e lançamento do Curso de Qualificação em “Dança Afro Brasileira Cênica”, Método Mercedes Baptista, do Museu Capixaba do Negro (MUCANE), da PMV.

Atualmente é Coordenador da ação multidimensional de avivamento da História da Diáspora Africana do Centro Histórico e do Morro Fonte Grande/Piedade, no Centro de Vitória.

Mesa de Conversa “A Cura Bantu” com Castiel Vitorino Brasileiro e Renato Santos

Terça-Feira (02 de julho), às 19h.

Local: Galeria Homero Massena - Rua Pedro Palácios, nº 99 - Cidade Alta, Centro de Vitória, Vitória – ES. 

Entrada Franca

 

Informações à imprensa:

Assessoria de Comunicação da Secult

Aline Dias/ Danilo Ferraz/ Erika Piskac

(27) 3636-7111/99808-7701/99902-1627/ 99753-7583

secultes.imprensa@gmail.com

comunicacao@secult.es.gov.br

Facebook: secult.espiritosanto

Instagram: @secult

2015 / Desenvolvido pelo PRODEST utilizando o software livre Orchard