Biblioteca Pública do Espírito Santo (BPES)

  Como espaço de referência de pesquisa e leitura para a sociedade capixaba, a Biblioteca Pública do Espírito Santo – BPES – tem como missão garantir a guarda e a preservação da memória e dos bens simbólicos representados por seus acervos e coleções, bem como promover a igualdade de oportunidades e de livre acesso à informação e ao conhecimento nas mais diversas áreas da criação humana e da cultura.

 Fundada em 16 de julho de 1855, a Biblioteca Pública do Espírito SantoBPES -, 6.ª biblioteca estadual criada no país, ganhou suporte administrativo através da resolução contida na Lei nº 19, de 10 de maio de 1880. Ela funcionou junto ao Arquivo Público Estadual em Vitória, na Cidade Alta, até 1979, quando então ganhou sede própria com uma área de 800 m2 na Praia do Suá. Como parte de um projeto de governo, teve sua área física ampliada para 1.500m2, tendo sido reinaugurada em 16 de dezembro de 2008. Sua reforma e ampliação foram necessárias a fim de adequar seus espaços tanto à necessidade de guarda e preservação de acervos quanto à necessidade de oferecer serviços de informação condizentes com as novas concepções e tecnologias da informação, condição indispensável para assegurar eficiência no atendimento ao público, que cada vez mais, no século XXI, apresenta demandas de pesquisa em rede.

O conceito de biblioteca pública pressupõe simultaneamente a permanente atualização de acervos e sua indispensável preservação, tanto quanto sua modernização tecnológica, cuja finalidade primordial é assegurar aos cidadãos o acesso à informação e ao conhecimento por meio de empréstimos e consultas às mais variadas fontes de pesquisa e leitura em todas as áreas da ciência e da cultura e nos mais diversos formatos disponíveis pelas tecnologias da informação. 

No século XXI, em decorrência das inovações tecnológicas, há profunda mudança de paradigmas. Cabe à Biblioteca Pública do Espírito Santo adequar-se aos novos desafios, colocando-se a serviço do acesso à informação e à inovação, por meio de uma política cultural que priorize a formação de leitores e que lhes possibilite participar da revolução pelo conhecimento. Ao preservar o patrimônio público por meio dos diversos recursos tecnológicos e, ao mesmo tempo, ao disponibilizar bens e serviços condizentes com as novas demandas de modo a contribuir para o desenvolvimento humano e social, de forma integrada e sustentável, a BPES cumpre sua função social de formar leitores autônomos, críticos e cada vez mais preparados para a vida em sociedade.

O livro continua sendo o meio mais fácil e seguro de veicular informação e conhecimento. A Biblioteca Pública do Espírito Santo, como instituição responsável pela guarda e preservação da memória capixaba, não pode prescindir das conquistas das tecnologias da informação e da comunicação – TIC – para colocar-se em rede com outras bibliotecas, no Espírito Santo e em todo o país. Com as tecnologias da informação surge um novo tipo de inteligência. As conexões na rede criam esse emaranhado de relações que confere à biblioteca imensa força como espaço de conhecimento e de desenvolvimento socioeconômico. Resultados de pesquisas já reconhecidas como as do PISA e Retratos da Leitura no Brasil confirmam a urgência de políticas públicas de valorização das bibliotecas públicas e de desenvolvimento da competência leitora, cuja concepção os associe à civilização e à cultura.

Por todas essas razões, o serviço de informatização dos vários acervos bibliográficos da Biblioteca Pública do Espírito Santo é indispensável e vem sendo gradativamente realizado com a implantação e instalação do SophiA Biblioteca, software de gerenciamento de bibliotecas, cuja operacionalização está relacionada à busca e à recuperação de documentos bibliográficos, artefatos tridimensionais e multimeios. Esse software contempla as principais funções de uma Biblioteca, funcionando de forma integrada, com o objetivo de facilitar a gestão dos centros de informação, favorecendo melhorias na rotina diária para atendimento aos usuários e disponibilizando mecanismos para recuperação da informação com maior rapidez. Os programas de modernização e qualificação técnica dos serviços prestados pela BPES e sua divisão itinerante – Biblioteca Transcol e Biblioteca Móvel -, bem como a parceria da BPES/SECULT com a Fundação Biblioteca Nacional – FBN, dependem essencialmente dessa tecnologia.

Ela permite o acompanhamento das atualizações e das mudanças evolutivas do sistema de gerenciamento de bibliotecas, soluciona problemas habituais e, principalmente, evita perda de informações e de recursos, garantindo maior eficácia, segurança e eficiência em favor da preservação de acervos e documentos e do acesso a esses bens pelos cidadãos.

 

Rita de Cássia Maia e Silva Costa

Diretora da Biblioteca Pública do Espírito Santo – BPES

2015 / Desenvolvido pelo PRODEST utilizando o software livre Orchard